A Semana



Tempo frio pode dificultar partida em carros flex

Com a queda nos termômetros, muitos motoristas já começam a se preocupar com o funcionamento dos veículos, uma vez que motores flex abastecidos com etanol podem apresentar dificuldades para ligar na ausência dos devidos cuidados com os sistemas de partida a frio. Com o objetivo de auxiliar os condutores, a NGK, multinacional japonesa especialista em velas de ignição, lista algumas orientações para o adequado funcionamento dos diferentes dispositivos que visam facilitar a partida em carros flex quando a temperatura ambiente fica abaixo de 15°C.

Confira a seguir:

Tanque auxiliar de partida: presente na frota brasileira desde os anos 1980, com a entrada dos veículos a etanol, o tanque auxiliar de partida dispõe de um reservatório destinado à gasolina, que é injetada no motor com a função de melhorar a partida do carro. De acordo com Hiromori Mori, consultor de Assistência Técnica da NGK, a gasolina injetada no motor vaporiza mais facilmente, auxiliando o motor a partir quando está frio.

“Em dias frios, o motorista deve abastecer o tanquinho com gasolina, preferencialmente a aditivada, que previne a formação de resíduos. Também deve evitar que o dispositivo fique vazio, o que poderia danificar a bomba elétrica que alimenta o sistema, além de dificultar a partida”, orienta Mori. Ainda é essencial checar a ausência de vazamentos no sistema e o estado do combustível, que deve ser trocado após longo período, uma vez que a gasolina envelhecida, além de favorecer a formação de resíduo, tem a sua queima dificultada.

Sistema de pré-aquecimento: solução que visa aquecer o etanol no momento da partida, o sistema de pré-aquecimento é adotado em motores flex mais modernos, que dispensam o uso do tanque auxiliar. De acordo com o especialista da NGK, o condutor deve aguardar as luzes da injeção do painel apagarem para assegurar que o sistema está pronto para a partida. “Cada sistema tem um tempo de aquecimento pré-estabelecido que pode variar de veículo para veículo. Partir o motor com o combustível ainda frio irá dificultar a partida”, explica Mori.

Motor com injeção direta: no caso dessa tecnologia, o combustível é injetado em alta pressão no motor, o que dispensa o uso do sistema de pré-aquecimento ou do tanque auxiliar para dar a partida no veículo a etanol com temperaturas baixas. Hiromori explica que a elevada pressão do sistema de injeção já favorece a vaporização e a atomização do etanol. “Desse modo, a formação de combustível líquido é muito reduzida, o que também facilita a partida do motor”, aponta.

Cuidados essenciais com o veículo

Por conta das baixas temperaturas, os motoristas devem adotar alguns cuidados essenciais com o veículo – o primeiro, segundo Mori, é examinar o sistema de ignição, em especial as velas, responsáveis por gerar a centelha (faísca) que irá queimar o combustível. “Velas com vida útil ultrapassada ou excesso de desgaste reduzem a performance do veículo e dificultam a partida”, destaca o consultor de Assistência Técnica da NGK.

Além disso, é fundamental verificar o estado de componentes como a bateria, o sistema de carga – alternador, o motor de partida, o sistema de injeção, e o sistema de partida a frio. “É importante que o motorista solicite ao seu mecânico de confiança uma avaliação completa do sistema de partida, independentemente do combustível utilizado, para evitar futuros transtornos”, finaliza Mori.

Comente abaixo