Opinião

11 de agosto de 2017
 

Mogi precisa crescer

Mogi das Cruzes tem um carro para cada dois habitantes, ou seja, é como se 50% dos mogianos usassem o seu veículo para se locomover no município. O resultado está aí, para todo mundo ver: filas e mais filas de carros, espremidos pelas ruas estreitas do nosso amado centro, dividindo espaço com pedestres sem espaço nas calçadas, automóveis estacionados e bicicletas que, na falta de ciclovias, precisam do seu espaço para transitar.
Todos reclamam do trânsito. Mas a verdade é que poucas são as pessoas que deixam o carro na garagem para pegar o ônibus. De um lado, a comodidade do veículo próprio é bem mais atrativa. Do outro, as reclamações das condições do transporte coletivo, que vive lotado, acaba afastando novos usuários.
Dizem que nada pode estar tão mal que não possa piorar. Pelo menos essa é a visão dos pessimistas, que tem reclamado infinitamente da passagem subterrânea do centro da cidade. “Estreita”, “inútil”, “superfaturada”, dizem eles. O fechamento (já revertido) da passagem de nível da rua Deodato Wertheimer foi objeto de muitas reclamações. As cancelas, que durante anos travaram a cidade, ainda vão prosseguir por mais um tempo. Mesmo com um túnel novinho ali do lado, ainda há quem prefira esperar o trem passar.
Ninguém gosta de mudanças e a adoção de trajetos alternativos chateia o motorista acomodado que gosta de fazer sempre o mesmo caminho para o trabalho. A situação piora para os comerciantes das imediações que, em plena época de crise, não viram com bons olhos a decisão da administração pública que afetou diretamente os seus negócios.
Mas se queremos melhorias na mobilidade urbana da nossa cidade, precisamos aceitar que são necessários sacrifícios. Não se fazem obras deste tipo do dia para a noite. Mogi é uma cidade antiga que realmente não está preparada para o crescimento atual. Então, é preciso arregaçar as mangas e fazer o que dá para fazer, sempre tentando evitar maiores constrangimentos.
Obras que afetam o dia a dia da população nunca agradarão a todos. Reclama o motorista, reclama o comerciante e reclama também o pedestre. Mas é preciso ser otimista, aceitar as mudanças provisórias e torcer para que novos incômodos não ocorram. Afinal, o que todo mundo quer é uma Mogi das Cruzes cada vez melhor, adaptada ao crescimento que a afeta e sempre pensando mais à frente. Enquanto isso, vamos seguindo as setas das rotas alternativas.

 

CHARGE DA SEMANA

por Gabi Costa





 
Veja também
 

 
enapol 2017

Palestra abordará a família contemporânea

Evento contará com a participação da psicanalista e médica Maria do Carmo Dias Batista
por A Semana
 

 
 
IMG_8232

Mário Gallego Neto

Diretor administrativo do Colégio Estrela de Davi
por A Semana
 

 
 
ÍCARO E DIEGO

Edição 996

por Fabíola Pupo
por A Semana
 

 

 
fabiola fique novo

Edição 996

por Fabíola Pupo
por A Semana
 

 
 
caio

Vereador quer vetar empresas ficha-suja em licitações públicas

Caio Cunha quer garantir mais transparência nas contratações
por A Semana
 

 
 
industria

Emprego abre o semestre em alta

Pesquisa do Ciesp aponta geração de 350 postos de trabalho na indústria em julho
por A Semana
 

 

 
cancer

Câncer de cabeça e pescoço: fique atento

Milhares de brasileiros devem ser diagnosticados com a doença até o fim do ano
por A Semana
 

 
 
Cinthia Santos destaca a estrutura da escola

Claretiano abre inscrições em setembro

Instituição é conhecida pela qualidade no ensino a distância
por A Semana
 

 
 
Os sócios-proprietários da Lapiendrus realizaram uma belíssima festa para comemorar os 30 anos da empresa no dia 11, no Espaço Araci em São Paulo. Parabéns!

Edição 996

Confira as fotos da semana
por A Semana