Opinião

29 de novembro de 2013
 

Cassações em aberto

 

A partir de agora, o processo de votação de cassações de parlamentares no Congresso Nacional vai ser menos rodeado de segredos. Antes feito sem que os responsáveis por absolver deputados e senadores corruptos pudessem ter seus nomes revelados, agora, este tipo de votações será feito em aberto.
A medida é um importante passo para que as ações feitas em Brasília sejam feitas mais às claras. O caso mais recente do abuso feito às sombras do voto secreto foi o do (ainda) deputado Natan Donadon, que, em junho, foi preso pelos crimes de peculato e formação de quadrilha. Dois meses depois, na hora de votarem se um detento em regime fechado poderia continuar exercendo seu mandato como representante do povo, 233 colegas votaram a favor da sua permanência.
Desde essa época, a Câmara não voltou a votar processos de cassação. Mas as próximas votações deverão ser as mais importantes dos últimos anos. É porque em breve, o Congresso deverá votar pela cassação ou absolvição dos deputados condenados no processo do mensalão: Valdemar Costa Neto, o Boy, José Genoíno, João Paulo Cunha e Pedro Henry.
Dos quatro, apenas o petista Genoíno já cumpre medida de prisão – provisoriamente, ele está na casa de uma filha em Brasília se recuperando de um mal-estar ocorrido semana passada. No entanto, a previsão é de que Genoíno regresse em breve para cumprir o semiaberto na prisão da Papuda, já que o resultado da Junta Médica revelou que o seu caso não é passível de prisão domiciliar. A decisão sobre se ele tem direito ou não a aposentadoria também não deve ir para a frente: para a Junta, não há motivo para Genoíno se aposentar por invalidez. Com a decisão, o petista condenado a 6 anos e 11 meses de prisão deverá enfrentar processo de cassação do mandato parlamentar.
Agora, quem votar a favor de que deputados condenados permaneçam nas suas cadeiras no Congresso terá seu nome revelado. Isso será importante para fiscalizarmos as decisões dos parlamentares em quem votamos. E, a menos de um ano das próximas eleições, os deputados que tentam a reeleição vão pensar duas vezes antes de encobrir colega corrupto, ou a resposta da população vem através das urnas.





 
Veja também
 

 
Dirceu Pinto é campeão olímpico e forte incentivador da prática de esporte por pessoas com necessidades especiais

O futuro do paradesporto está aqui

Bocha adaptada faz sucesso entre mogianos
por A Semana
 

 
 
Lettícia lançou o primeiro single e está preparando um álbum de originais

Celeiro de artistas

Mogi cresce como a cidade que incentiva a arte
por A Semana
 

 
 
Alberto Fernandes Filho e Gustavo Nogueira de Sá: tecnologia a favor da educação do futuro

Educação do futuro está na ponta do dedo

Mogianos criam aplicativo gratuito para concursos públicos
por A Semana
 

 

 
O vereador Caio Cunha é um dos exemplos que usam a Internet para reforçar a comunicação com o eleitorado

Uma política mais perto do eleitor

Comunicação é importante para facilitar aproximação
por A Semana
 

 
 
Para o presidente, Antonio Lino, o Legislativo deve se moldar às mudanças da sociedade

Uma Câmara com a cara da cidade

O presidente da Câmara de Mogi, Antonio Lino da Silva (PSD), é otimista quando imagina a cidade do futuro.
por A Semana
 

 
 
Tânia Fukusen Varjão destaca a importância de levar o poder do comércio local a todos os bairros

Comércio mais perto dos distritos

Empresários descobrem novas formas de chegar ao consumidor nos quatro cantos da cidade
por A Semana
 

 

 
Túnel da Sacadura Cabral: R$ 12,8 milhões para acabar com o atraso que divide a cidade pela linha do trem

A cidade que quer crescer

O crescimento imobiliário requer ações planejadas de mobilidade urbana
por A Semana
 

 
 
MOLHO PICANTE

Molho Picante – Edição 903

Topete de prefeito   Queimou largada?   Troca-troca   Roubo do tomate   Sem rodeio   Agradecimento
por A Semana
 

 
 
2 (2)

Com amor é mais gostoso

E Mogi comemora mais um aniversário. Parabéns a todos os mogianos! Enfim entramos no rumo certo do crescimento e tendo a devida valorização por parte dos governos federal e estadual. Mas não foi fácil isso acontecer, só ...
por A Semana